Loading...

Instruções para manter a visão saudável

quinta-feira, 6 de maio de 2010

O que é transplante de córnea?

Os transplantes de córnea permitem que pessoas com alguma deficiência visual por problemas de córnea recuperem total ou parcialmente a visão. O transplante de córnea é a mais comum modalidade de transplante de tecidos. Nos Estados Unidos são feitos cerca de 35.000 transplantes de córnea por ano, com sucesso de 90% em casos de bom prognóstico. No Brasil, o número de transplantes é ainda pequeno (mais ou menos 3.000/ano).

O que é a córnea?
A córnea é um tecido transparente que fica na parte da frente do olho.

Quantas pessoas aguardam por um transplante de córnea no Brasil?
Aproximadamente, 25 mil pessoas

Qualquer deficiente visual pode se beneficiar de um transplante de córnea?
Não, apenas os pacientes que apresentam baixa visual causada por um problema na córnea podem se beneficiar de um transplante de córnea. Se a causa da baixa visual está em um problema na retina, por exemplo, o transplante de córnea não está indicado.

O olho, como um todo, pode ser transplantado?
Não. Somente alguns tecidos oculares, como a córnea e a esclera, e células - tronco da córnea, podem ser transplantados.

Qualquer pessoa pode ser doadora de tecidos oculares?
Sim. Independente da idade e do uso de correção visual (óculos ou lentes de contato), ou de alguma possível doença, qualquer pessoa pode ser doadora de tecidos oculares. Os distúrbios de refração (como miopia, hipermetropia, astigmatismo) e outros distúrbios visuais (como catarata, glaucoma, problema na retina, etc) não impedem a doação.

Como são utilizados os tecidos oculares doados?
Os tecidos oculares doados são utilizados para fins terapêuticos (de recuperação dos pacientes inscritos em lista de espera). A córnea, a esclera (parte branca do olho) e as células-tronco da córnea podem ser utilizadas com finalidade terapêutica. Cada doador pode beneficiar vários pacientes, se, além das córneas, a esclera e as células-tronco forem utilizadas. Os tecidos que, por algum motivo, não puderem ser utilizados em cirurgias, serão utilizados em pesquisas (aprovadas por Comissão de Ética) ou ensino.

Posso doar minha córnea enquanto ainda estou vivo?
Não. No caso da doação de córnea, este tipo de procedimento durante a vida não é realizado e não é permitido por lei.

Como posso manifestar o desejo de, algum dia, vir a ser doador?
O importante é conversar com os familiares a respeito do seu desejo, pois, por lei, este desejo só poderá ser cumprido se a sua família autorizar a doação

Qual é o custo da doação para os familiares do doador?
Nenhum. A família do doador não paga nada pela doação e tampouco recebe qualquer pagamento pela doação.

Até quanto tempo após o óbito os tecidos oculares podem ser retirados?
O ideal é que os tecidos oculares doados sejam retirados até 06 (seis) horas após o falecimento. Por isso, o Banco de Olhos deve ser avisado rapidamente. Mas, vários fatores podem contribuir para que este prazo possa ser maior (em alguns casos, pode ser de até 24 horas).

A retirada dos tecidos oculares provoca alguma deformiade no doador?
Não. A doação não modifica a aparência do doador.

Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia: Campanha nacional de doação de Córneas, disponível em:

http://www.cbo.com.br/site/index.php?mostra=cornea

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Miopia, hipermetropia, astigmatismo, vista cansada : o que é e como se corrige?

O que é miopia?

A MIOPIA é um defeito da refração dos olhos. O míope não enxerga bem para longe. Quanto mais afastados os objetos, pior ele os vê. Quanto mais forte a miopia, mais perto ele tem de aproximar o objeto para conseguir vê-lo com nitidez.

Como se corrige a miopia?

Com óculos, lente de contato ou cirurgia refrativa. O uso de lentes de contato é trabalhoso; exige cuidados especiais de manuseio, colocação e conservação.A cirurgia refrativa é uma opção que existe para pessoas que querem enxergar bem sem óculos e que não se adaptam ou não querem usar lente de contato. É necessário fazer uma avaliação para saber se há a possibilidade de cirurgia, pois há contra-indicações e casos em que a cirurgia refrativa não está indicada.

O que é hipermetropia?

A HIPERMETROPIA é um defeito da refração ocular. O hipermétrope tem de se esforçar para focalizar o olhar a qualquer distância. Ao contrário do míope, o hipermétrope tem mais dificuldade em enxergar para perto. Por isto a criança hipermétrope cansa os olhos à leitura e ao fazer os deveres da escola.

Como se trata a hipermetropia?

Trata-se com óculos, lente de contato ou cirurgia refrativa. Muitas vezes o paciente que apresenta hipermetropia só usa óculos em atividades que exigem mais da visão: ler, escrever, trabalhar em computador, assistir TV. Tudo depende do grau de hipermetropia e da capacidade de acomodação do paciente.

O que é astigmatismo e como se trata?

O ASTIGMATISMO é um defeito da refração dos olhos. A focalização do olho é diferente conforme a direção (vertical e horizontal; inclinada para um lado e inclinada para o outro). Por isso o astigmata enxerga fora de foco a qualquer distância. O astigmatismo pode se combinar com a MIOPIA ou com a HIPERMETROPIA. O tratamento mais fácil é feito com óculos.A maioria dos astigmatismos consegue ser corrigido também através de Lentes de contato, dependendo do caso, com lentes de contato gelatinosas ou rígidas.

• Somente o médico oftalmologista pode aconselhar o paciente sobre o melhor tratamento para miopia, hipermetropia e astigmatismo.

O que é vista cansada e como tratá-la?

Dentro dos olhos há uma lente natural, flexível, chamada cristalino. Ao olhar para perto, um músculo também dentro do olho focaliza os olhos aumentando a curvatura do cristalino. Com o passar do tempo o cristalino vai perdendo a flexibilidade e o músculo já não consegue aumentar suficientemente sua curvatura. Depois dos 40 anos a focalização para perto vai se tornando mais difícil. É a chamada vista cansada, em linguagem médica PRESBIOPIA, a qual afeta a visão para perto. O tratamento se faz com óculos só para perto, óculos com lentes bifocais (lentes com linha divisória) ou lentes progressivas também chamadas multifocais. Estas permitem focalizar a qualquer distância. Se a pessoa já tem MIOPIA, HIPERMETROPIA ou ASTIGMATISMO, a presbiopia se acrescenta a ela. Por isso as lentes bifocais e progressivas têm em cima o grau para miopia, hipermetropia ou astigmatismo e em baixo o grau para presbiopia somado ao grau da parte de cima. Atualmente, já existem várias opções de lentes de contato para presbiopia.

domingo, 11 de abril de 2010

Conjuntivite infecciosa?! Veja os cuidados recomendados:

-Evitar coçar os olhos;
- Fazer compressas geladas, para diminuir o desconforto;
- Limpar os olhos com delicadeza;
- Para limpeza, utilizar gaze úmida, com água morna ou soro fisiológico a 0,9%.
- Como, ao acordar, os olhos podem se apresentar “colados”, o ideal é usar compressas sobre os olhos fechados até o amolecimento da secreção;
- Sempre lavar as mãos, principalmente após entrar em contato com a região ocular;
- Não tomar banho de piscina ou mar;
- Preferir lenços e toalhas de papel;
- Trocar as roupas de cama todos os dias, não se esquecendo da fronha;
- Caso tenha companheiro (a), os dois devem dormir em locais separados, a fim de evitar a contaminação deste;
- Não compartilhar óculos, lentes de contato, maquiagem, etc;
- Usar seu próprio (e exclusivo) sabonete;
- Não encostar o frasco do colírio nos olhos;
- Não usar lentes de contato até que seja curado;
- Ingerir mais alimentos ricos em vitamina C, para reforçar o sistema imune;

sábado, 10 de abril de 2010

Síndrome da Visão de Computador




Quais são os sintomas da Síndrome da Visão de Computador (CVS) :

Os pacientes com CVS podem apresentar: olhos irritados, vermelhos, coceira, olhos secos ou lacrimejamento, fadiga, sensibilidade a luz, sensação de peso nas pálpebras ou da fronte, dificuldade em conseguir foco, enxaquecas, dores lombares e espasmos musculares.


O que causa a Síndrome da Visão de Computador (CVS)?

Nossa visão não foi feita para encarar uma tela de computador durante muitas horas seguidas. As imagens do monitor são formadas por "pixels" ou minúsculos pontinhos nos quais os nossos olhos não conseguem manter o foco, necessitando "focar e refocar" continuamente. Isto provoca um "stress" dos músculos oculares. 
Podem contribuir para a CVS: condições externas relacionadas à tela do computador (falta de iluminação, má localização da iluminação, posição imprópria do monitor e tela suja), hábitos inadequados de uso do computador e problemas oculares pré-existentes: miopia, hipermetropia, presbiopia.

Como previnir a CVS?

Deve-se ter cuidado  com os tópicos abaixo, adotando as medidas recomendadas

- Iluminação:

A iluminação do ambiente de trabalho deve ser homogênea e controlada, ou seja, o local deve estar iluminado por igual, não havendo variação da iluminação, que incida na tela do computador, na mesa e nos utensílios de trabalho.
Evitar: luz que atinge a tela do computador por trás do usuário, pois determina deslumbramento e dificulta a visualização. Luz que incide em direção lateral ao usuário, pois interfere no campo visual do trabalhador.
É recomendável o uso de proteção de tela para controlar a luminosidade.
Se o monitor for CRT, use-o na freqüência mais alta possível, em hertz. Já monitores LCD, não há essa necessidade.

- Postura:

Durante a utilização do computador, a cabeça deve seguir o alinhamento da coluna vertebral, que deverá estar reta e encostada na cadeira.
O olhar do usuário do computador deve estar ligeiramente voltado para baixo, entre 15° a 25°. Assim a pálpebra protegerá boa parte da superfície ocular, diminuindo  sua exposição e  melhorando a lubrificação dos olhos.
A postura correta para o trabalho deve ser: costas eretas; planta dos pés apoiada no chão; tronco em ângulo de 90° com as pernas; cabeça no alinhamento do tronco; olhar ligeiramente voltado para baixo, aproximadamente 25°.
Nunca fique com o monitor acima do nível dos olhos. Além de forçar mais músculos, essa posição exige que a fenda palpebral fique mais aberta, agravando o ressecamento.
Deixe o monitor a uma distância de 50 a 65 centímetros dos olhos. A inclinação da tela deve variar de 10º a 20º.   



- Ambiente de trabalho:

Evitar ventilador ou ar condicionado em direção ao rosto enquanto estiver usando o computador.

- Ato de piscar:

Procurar piscar mais, mesmo que voluntariamente, para lubrificar os olhos. Durante o trabalho, coloque um lembrete, como, por exemplo, ´piscar´ em algum cantinho do monitor.
Após horas de trabalho, o piscar reflexo diminui, sem que a pessoa perceba. Em atividades normais, os olhos piscam, em média, 22 vezes por minuto, enquanto que, quando estão em atividade de leitura, piscam de 12 a 15 vezes por minuto. Quando se está diante da tela do computador, essa freqüência pode abaixar até para cinco vezes por minuto. O ar condicionado associado a um piscar menos freqüênte pode levar ao desenvolvimento de um quadro de ceratoconjuntivite seca.

-Lubrificação dos olhos:

Os usuários de lentes de contato e aqueles que sofrem de ressecamento ocular devem lubrificar mais vezes os olhos, quando em frente ao computador, em leitura continuada ou em trabalhos repetitivos, para evitar problemas de ressecamento ocular. Usar colírios somente sob recomendação médica.

-Pausas periódicas:

É recomendável que a cada 50 minutos pelo menos, o usuário de computador dê uma parada por alguns minutos. Este tempo deve ser empregado para esticar as pernas, fazer ligeiros alongamentos dos braços, do pescoço e do tronco. Dirija seu olhar para um local distante, através de uma janela, por exemplo. Assim a musculatura ocular também poderá trabalhar, evitando a fadiga dos olhos.

-Exame oftalmológico regular:

Alguns problemas visuais, como por exemplo os  erros refrativos (miopia, hipermetropia, astigmatismo), a presbiopia (vista cansada) e insuficiência de convergência podem  contribuir para a CVS. Portanto, um exame oftalmológico é indicado para diagnóstico e tratamento.

A "miopia do Computador"


Ficar durante muito tempo na frente do PC, além de provocar o ressecamento pode causar a chamada miopia transitória. Esse problema afeta principalmente os mais jovens pois  possuem um cristalino mais flexível, capaz de se acomodar facilmente em diferentes posições. Após permanecer mais de duas horas seguidas olhando para a tela do computador ou para o videogame, os olhos ficam acomodados para a visão de objetos pertos, dificultando o foco de longa distância

quarta-feira, 31 de março de 2010

Cinema 3D : parece inofensível, mas não é! Veja quais são as conta-indicações





Para muitos é difícil relacionar sintomas como dor de cabeça, tontura, náusea, dor nos olhos, na testa, desconforto visual, ardência nos olhos e sensação de cansaço somente à um simples filme, mas esses sintomas podem evoluir para crises de epilepsia ou labirintite, dependendo do caso, mas somente a quem tem alguma pré-disposição, como ser epiléptico, ter labirintite, sofrer de enxaqueca ou ter insuficiência de convergência (movimentação dos olhos para unificar a visão dos dois olhos).

Se o indivíduo for estrábico ou tiver visão alternante não terá sintomas, mas também não conseguirá aproveitar a tecnologia.Para ter boa percepção do filme 3D é necessário boa acuidade visual em ambos os olhos (...)

Se os músculos reto-mediais, responsáveis por esse movimento dos olhos chamado convergência, não estiverem em plena forma, é possível que o espectador saia com dor de cabeça do cinema (...) Esse descompasso se chama desequilíbrio no balanceamento ocular, o que não é nenhuma doença grave e pouco interfere na visão do dia a dia, mas pode complicar as visitas ao cinema.

Quem tem esse pequeno problema corre o risco de sair do cinema com os olhos vermelhos: quando um músculo é muito solicitado, ele demanda mais sangue, irrigando mais os vasos e deixando a região vermelha.

Casos mais graves são os de epilepsia e labirintite. Os mesmos avisos que são dados em simuladores 3-D nos parques deveriam ser obrigatórios para o cinema. "A sensação de movimento pode causar crises de labirintite. E existe um tipo de epilepsia desencadeada pela luz, chamada foto-sensível, que deve manter o epiléptico longe do cinema", afirma o neurologista. Não existem contra-indicações muito rígidas quanto ao cinema 3-D, mas esses dois casos devem ser levados em conta principalmente para quem deseja experimentar as salas Imax – por enquanto só há duas no Brasil, em São Paulo e Curitiba."
Alerta:

Epilépticos: O filme 3D explora muito cenas com imagens explodindo e correndo de um lado para outro. Isso pode causar enjôo e, em maior volume, desencadear a epilepsia. É a mesma causa apresentada por cientistas para explicar a ligação de alguns desenhos infantis, junto a luzes estroboscópicas.

Labirintite: a sensação de estar no meio da ação do filme , ou em movimento, pode causar crises da doença.

Enxaqueca: luzes piscantes e muito movimento levam a dores de cabeça intensas e enjôo, principalmente para quem já tem histórico de enxaqueca.

Qualquer problema na visão: se a pessoa não tiver boa visão em um dos olhos, ou nos dois, não poderá assistir ao 3D, cuja tecnologia depende do uso simultâneo (e, portanto, da boa saúde dos dois olhos).

Pessoas que usam lentes de contato ou óculos, devem usá-los durante a sessão de cinema, sob os óculos 3D.

Fonte: Revista Época

Tenho atendido muitos pacientes com queixa de dor de cabeça após assistir os filmes em 3D. Por isso, resolvi postar este texto. Aproveito para chamar atenção para a polêmica higienização desses óculos. Se os óculos não forem descartáveis ou adequadamente higienizados podem transmitir doenças infecciosas tanto oftalmológicas como dermatológicas.

terça-feira, 30 de março de 2010

Lentes de contato: riscos e importância do oftalmologista


              As lentes de contato podem causar danos oculares se não forem bem indicadas, bem adaptadas, bem limpas, bem conservadas e bem acompanhadas pelo oftalmologista, As lentes de contato podem causar infecções graves, chamadas de "úlceras de córnea", que podem levar à cegueira, transplante de córnea ou até mesmo à perda do olho, em casos extremos. Felizmente, as úlceras são raríssimas nos pacientes que usam as lentes corretas da maneira correta, mas o número de casos vem aumentando bastante com a venda de lentes por comerciantes e falsos médicos. As pessoas, vítimas da propaganda indiscriminada e irresponsável, não sabem dos perigos trazidos pelas lentes até que algum problema aconteça.
Existem ainda outros problemas oriundos das lentes de contato mal -utilizadas e mal-indicadas: perda irreversível de células endoteliais, conjuntivite papilar gigante, neovasos de córnea, ceratites diversas, piora de ceratocone ou de distrofias de córnea etc.
A adaptação de lentes é um ato médico porque envolve um exame oftalmológico completo: a indicação, a prescrição, a adaptação e o controle dessa lente no olho do usuário. Mesmo uma lente bem adaptada pode, a qualquer momento, passar a provocar problemas, tais como a diminuição da oxigenação da córnea, reações alérgicas e tantas outras complicações que vão desde “simples” conjuntivites até as já citadas úlceras de córnea, que podem em determinados casos levar a perda da visão. 
           A lente de contato altera a fisiologia da córnea, podendo tanto curar como provocar doenças. Quando a lente de contato é colocada no olho, o processo de adaptação é contínuo e dinâmico e só acaba quando a pessoa deixa de usá-la. Por isso, encaramos as lentes como material de uso exclusivo do médico - lembre-se que o que se realiza é um ato médico e não um ato de comercialização.
Cabe lembrar ainda, que existem casos em que o uso de lente de contato é contra-indicado, logo o exame oftalmológico é inprescindível.
Atualmente há uma enorme gama de opções de lentes, com os mais diversos tipos de materiais e parâmetros e somente o oftalmologista está capacitado a indicar a melhor lente para aquele determinado paciente. O grau do erro refrativo não é o único parâmetro importante de uma lente de contato. A curva-base e o diâmetro também são fundamentais. Algumas lentes apresentam desenhos característicos, várias curvaturas, portanto é necessário que o profissional tenha um conhecimento e um treinamento específico em lente de contato.
A avaliação da relação lente-córnea é mandatória no teste e adaptação da lente de contato. Não basta o paciente estar confortável, enxergando bem, e com olho sem estar irritado. A relação lente-córnea (ou seja, da lente com a estrututura ocular) deve estar adequada e isso é visto em um aparelho chamado de lâmpada de fenda, disponível nos consultórios de oftalmologia.

Úlcera de córnea em usuário de lente de contato gelatinosa:
Portanto, as pessoas que desejam fazer uso de lentes de contato, quer com grau ou só estéticas (coloridas), devem procurar um profissional habituado (o médico oftalmologista) para não só fornecer as lentes, mas fazer acompanhamento, evitando assim, arriscar-se a contrair um problema sério de visão. O médico faz teste e adaptação das lentes de contato, fornecendo-as dentro de um contexto mais amplo, um serviço completo de saúde ocular.

domingo, 28 de março de 2010

Veja como limpar lentes gelatinosas


A limpeza da lente de contato é fundamental  para manter sua visão em perfeitas condições. Este procedimento deixa a lente livre de bactérias, microorganismos, muco e outras impurezas. E deve ser realizado antes de colocar a lente e no momento em que ela for retirada do olho. Veja como fazer:

 Lave bem as mãos antes de manusear as lentes.

Devem ser evitados sabonetes com creme antisséptico, desodorante químico ou fragrância
pesada porque pequenas porções dessas substâncias podem ser transferidas para os olho.

Coloque a lente do olho direito na palma da mão e aplique algumas gotas da solução de limpeza remomendada pelo seu oftalmologista

Com o dedo indicador da outra mão, friccione levemente a lente em ambos os lados, com movimentos delicados para frente e para trás, para a esquerda e para a direita.

Enxágüe a lente novamente com a solução de limpeza recomendada pelo seu médico até que fique livre de resíduos. O enxágue é sempre com o produto de limpeza da lente, nunca utilize água corrente.

Repita o procedimento com a lente do olho esquerdo.

Dica: As lentes devem ser guardadas em estojo apropriado, sempre fechadas, durante todo o período em que não estiverem em uso. E devem ser armazenadas imersas em solução de limpeza. Não se esqueça de enxagüar a lente com a solução de limpeza toda a vez que usá-la e também descartar a solução de limpeza que estiver no estojo.

A limpeza do estojo deve ser feita, pelo menos, uma vez por semana, com água quente sem sabão com utensílio tipo escova de dentes. Separar um escova de dentes somente para limpeza do estojo. Deixar o estojo secar no ar e, depois de seco, guardá-lo fechado.
Recomenda-se trocar o estojo, pelo menos, a cada 6 meses, porque nutrientes que desenvolvem microrganismos provenientes dos dedos ou da própria LC suja, podem se acumular no estojo.